Pular para o conteúdo principal

Morte dos Gibis de Banca | Vida de Colecionador Iniciante


O HQ Fan escreveu um texto explicando porque os quadrinhos de banca podem acabar e por mais que eu ache isso um exagero, acredito sim que alguns pontos podem ser sim prejudicados, principalmente em locais mais distantes cuja distribuição é bem carente.

Eu não vou me aprofundar no tema do domínio da Abril sobre a distribuição de revistas que fica mais apertado a cada dia que passa, principalmente agora que os grupos ramificados se uniram sob nome de Total Express. O Judão fez uma excelente matéria dizendo tudo isso, como esse monopólio pode afetar o mercado brasileiro e como algo semelhante foi vivenciado pelo mercado estadunidense no anos 2000 com a Diamond.


Você, bróder, que acha que se por algum motivo as HQs sumirem das bancas é uma coisa boa (acredite em mim, isso pode sim acontecer, pois nos Estados Unidos os gibis praticamente não existem mais em bancas. Eu não estou inventando isso. Pode procurar e vai achar essa informação, inclusive eu mesmo vou te linkar aqui um texto do Universo HQ explicando como funciona o mercado de quadrinhos estadunidense pra você ter certeza que não estou escrevendo abobrinhas), tire seu cavalinho da chuva. Eu vou dizer como que isso pode ser algo terrível pra gente.




No final de 2016 o Planeta Gibi publicou uma matéria mostrando quanto cada título vende no Brasil e ainda faz um paralelo com quanto se vendia em 1975. Isso te mostra que mesmo tendo toda exposição possível, quadrinhos não vendem tanto assim (tirando Turma da Mônica, claro) e com isso estamos considerando revistas mensais cujas as tiragens são enormes. Se você considerar os encadernados, cujas tiragens são bem menores, ainda mais para editoras independentes, isso é mais preocupante.


A banca sempre foi um lugar bem eclético incluindo gostos e publicações de todos os tipos. Ali você ia encontrar do colecionador de quadrinhos ao leitor casual que vai comprar algo pra ler na fila do banco. Muitos dos amantes de quadrinhos de hoje começaram a ler quando criança com os pais indo à bancas e pegando um título aleatório para manter o filho ou filha entretido(a). Eu mesmo quando pivete, não tinha o hábito de ler quadrinhos como tenho hoje em dia, no entanto sempre que viajava com minha família para outro estado, na parada do ônibus para todo mundo almoçar, minha mãe me comprava uma HQ para me distrair. Eu não tinha o costume de acompanhar os títulos que saíam, então ela comprava literalmente qualquer coisa pra mim.




Esse é o tipo de venda que acontece em banca de jornal. Ela não vende quadrinhos apenas para fãs e colecionadores, mas também para gente que compra uma vez aqui e ali, algo que não vai acontecer se os gibis saírem de banca. Claro que talvez isso seja fantástico para você que compra revistas como eu, à toque de caixa, mas pra editora isso pode ser um tremendo chute no saco, já que ela vai ter que se focar agora num público muito menor, perdendo a visibilidade de quem simplesmente é um leitor ocasional.


Talvez tenhamos que amargar títulos mais caros, pois as tiragens podem diminuir ainda mais. Talvez as editoras tenham que largar a mão de publicações mensais. Talvez muita coisa possa acontecer. Talvez até comic shops novas consigam surgir disso, mas eu posso dizer com certeza que se quadrinhos saírem das bancas... É bem provável que os leitores de quadrinhos não se renovem mais.

Postagens mais visitadas deste blog

DC Quer Acertar O Tom do Superman | Cinema

Talvez eu seja suspeito pra escrever esse texto, pois eu claramente acho que a Warner acertou o tom do nosso ex-usador de cueca por cima da calça em Homem de Aço e Batman v Superman, no entanto eu vou comentar aqui porque a DC vai ter MUITAS dificuldades em acertar a vibe dos próximos filmes do Escoteirão.



Fazem algumas décadas que a editora tenta acertar o tom do Superman nos quadrinhos. Quase sempre, sem sucesso. Revista após revista, você vê o Super sendo reformulado, mudando de poderes,  comportamento, sendo alvo de jogadas publicitárias pra vender alguma coisa (eu tô falando de você, Morte do Superman), então acertar as histórias do Azulão não é algo fácil. Imagina-se que acertar isso no cinema também seja complicado (quase tão complicado quanto comprar a quantidade de quadrinhos que saem em bancas todo mês), mas condenar os filmes anteriores como "isso não é o Superman de verdade" é bem idiota, não acha?



Fazer filmes do último filho de Kripton* é dificílimo porquê faz…

Super Herói Favorito | Lista

Qual seu super herói favorito?

O meu é o Superman.

Você deve ter torcido o nariz, feito aquela cara de nojo como aquela que as pessoas fazem quando digo que gosto de sanduíche de geleia de amora com requeijão. Talvez tenha pensado que seu super favorito seja alguém mais descolado, mais irreverente... Mais sombrio. Segundo as estatísticas cedidas a mim pelo IBGE, 89% das pessoas que foram assistir Bátema v Superomi estavam torcendo pelo homem morcego. Sendo assim, eu me sinto no dever de justificar porque eu amo o azulão.



Tá, claro que eu amo o Clark Crente pela sua bondade. Se eu pudesse escolher um super herói pra sair das páginas e se tornar realidade, eu escolheria ele. Mas além da sua bondade, o Super tem outro ponto positivo para mim: ele é quase um deus! Nem sempre foi assim, mas vira e mexe o nosso amigão do pega rapaz tá com histórias em que seu poder tá tão intenso que nada parece ser um desafio pra ele.

E é aí que eu me empolgo!


Histórias de super heróis são, salvo exceções,…

Batman vs Superman Versão Definitiva | Cinema

Começo dizendo que o texto deve ter bastante spoilers sobre esse filme que deu muito pano pra manga. Seja você uma pessoa que curtiu ou não, certamente gastou muito do seu pouco tempo de vida aqui na Terra pra debater esse longa, e como eu não poderia ser diferente, estou aqui, diminuindo o tempo que eu poderia usar pra passar com meus familiares e pessoas que amo pra defender um filme com atores com roupas coladinhas.

Eu faço parte da galera que amou o filme. Perceba que eu não escrevi "gostou", do verbo "achei legal, mas vou esquecer daqui a uns meses". Eu AMEI o filme! Do tipo que reassisti a versão definitiva 3 vezes já (e olha que eu a comprei numa quinta e escrevo esse texto na segunda).



BvS acerta em cheio um dos maiores questionamentos do Super: o mundo precisa realmente dele? É fácil responder isso quando super vilões brotam de uma panela de pipoca radioativa, mas e quando o motivo da maior tragédia é você mesmo? E se outros vilões surgirem por sua causa?…